Sala de Imprensa

Releases

26.06.2014

Diversidade ambiental impulsiona ecoturismo no Brasil

Com apoio da Fundação Toyota do Brasil, modelos de ações de preservação no Nordeste e no Pantanal brasileiro são referências em atividades de ordenamento econômico, turístico e social A diversidade das belas paisagens brasileiras e atividades ecológicas têm atraído visitantes do mundo em busca do ecoturismo, apresentado pela grande diferença geográfica e climática do extenso território brasileiro. O segmento turístico é um dos que mais cresce no Brasil. Segundo levantamento do Ministério do Turismo (MTur) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com turistas estrangeiros, 46,8% de visitantes internacionais está em busca de atividades junto à natureza. Esse índice deve aumentar com a Copa do Mundo e com a chegada das férias de julho. E para que você possa aproveitar esse período de descanso com tranquilidade e diversão, a Fundação Toyota do Brasil, que apoia ações que são referência em ordenamento econômico e turístico no país, oferece dicas de viagem das praias nordestinas aos campos do Pantanal. Fique por dentro: No Nordeste Os 413.000 hectares de natureza exuberante da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais, que abrangem oito munícipios de Alagoas e três em Pernambuco, é um verdadeiro berçário da vida marinha com mais de 185 espécies de peixes registradas e a presença de animais em risco de extinção como a tartaruga marinha e o peixe-boi. O local proporciona atividades de mergulho, passeios de barcos, observação de espécies da flora e da fauna, permitindo programas culturais como visitas às construções originais do século 18. O projeto visa à conservação dos recifes de corais, proteção das áreas de manguezais e a preservação do habitat e tornado autossustentáveis as comunidades, que perceberam o potencial turístico da região considerada uma das mais belas do Brasil. Dessa forma, atividades econômicas regradas como o passeio de observação do peixe-boi marinho contribuem para a preservação do mamífero aquático mais ameaçado de extinção no Brasil. A atividade de observação da espécie é realizada pela Associação Peixe Boi, localizada em Porto de Pedras, Alagoas. A atividade acontece no rio Tatuamunha diariamente e tem duração de aproximadamente uma hora. Para quem deseja conhecer as piscinas naturais de Alagoas, conhecidas também como galés, um dos locais sugeridos é Maragogi. Em horários de maré baixa é possível mergulhar de snorkel ou cilindro, opção que inclui acompanhamento de guias a cinco metros de profundidade. No mesmo circuito, não deixe de fazer uma visita a Japaratinga. A cidade tem um ritmo ainda mais relaxado que Maragogi e ainda mantém suas construções originais como a Igreja Matriz, construída pelos holandeses. Já em Pernambuco, o mar cristalino da Praia dos Carneiros recebe diversos turistas para observar peixes e outros animais marinhos que se encontram nas piscinas de corais. O acesso difícil é motivo para o local ser relativamente pouco frequentado, tendo sua paisagem quase inalterada desde o século passado. Os tours de catamarã partem da Praia de Tamandaré e são realizados pela Cooperativa Náutica Ambiental. Os horários de saída podem variar de acordo com a época do ano. Porto de Galinhas também no estado pernambucano é parada obrigatória para qualquer viajante que passe pela região. Durante o dia, o roteiro é preenchido por mergulhos nos corais, caminhadas pela praia e atividades como o frescobol. À noite, as vilinhas aconchegantes do centro comercial se enchem de turistas a procura de souvenirs. Como chegar - Aéreo As principais portas de entrada para a Costa dos Corais são as capitais Maceió/AL e Recife/PE pelos aeroportos: Aeroporto Internacional de Maceió (Zumbi dos Palmares) e Aeroporto Internacional do Recife (Gilberto Freire), que se ligam por meio de serviços de tranfers oferecidos nos próprios locais. - Ônibus As saídas do ônibus em Maceió e Recife acontecem em horários simultâneos e o tempo de duração da viagem entre as duas capitais é de 4h40. Os ônibus partem dos terminais rodoviários às 4h15 e 11h. -Carro Partindo de Maceió pegue a rodovia AL-101 Norte. Partindo de Recife, vá para BR-101 Sul, depois pegue a PE-60 até divisa PE/AL, onde se acessa a AL-101 Norte. No Pantanal brasileiro O ecossistema pantaneiro abriga uma diversidade grande de animais, alguns inclusive ameaçados de extinção como a onça pintada, o veado campeiro, o lobo-guará e a arara azul, espécie que é monitorada e protegida há 24 anos pelo Projeto Arara Azul com o apoio da Toyota desde 1991 e, mais recentemente, da Fundação Toyota do Brasil. Um das atividades que levam todos os anos turistas ao Pantanal é a observação de aves. Os visitantes podem, sob agendamento, acompanhar os técnicos do Instituto Arara Azul no trabalho de campo, conhecer os ninhos naturais e artificiais e observar os casais e os filhotes dessa espécie de aves. No Refúgio Ecológico Caiman, as diárias incluem pensão completa e atividades ecológicas. Para os visitantes que gostam de passeios à noite, o safari fotográfico e a focagem noturna são ideais. Picapes e caminhões adaptados percorrem trajetos para flagrar animais como capivaras, jacarés, veados, porcos-do-mato, tuiuiús, garças e colhereiros. Com sorte, sucuris, tamanduás, onças-pintadas e lobos também surgem. A melhor época para ver mamíferos próximos dos rios é entre abril e novembro. Outra opção de veículo para observação de animais é o passeio de barco no período de cheia, entre outubro e março, uma infinidade de aves concentra-se nas árvores. É possível avistar lontras, ariranhas e jacarés e até mesmo onças-pintadas nas margens dos rios. Além dos hotéis, alguns barcos para pesca fazem saídas para ecoturismo durante a piracema, época de reprodução dos peixes. No retorno do Pantanal, os turistas podem visitar em Campo Grande (MS) o Centro de Sustentabilidade do Instituto Arara Azul, financiado pela Fundação Toyota do Brasil, o qual é agora a sede do Instituto e, ao mesmo tempo, objetiva garantir a perenidade das ações da entidade de forma que ela se torne economicamente autossustentável. Além disso, o local proporciona um novo tipo de turismo na região – o de informação e observação das araras na cidade e no Pantanal, principalmente no período de reprodução. O espaço recebe também pesquisadores e estudantes nacionais e estrangeiros interessados em estágio e treinamento fornecidos pelo Instituto Arara Azul. Como chegar - Aéreo O Aeroporto Internacional de Campo Grande recebe voos das principais capitais. - Ônibus De Campo Grande, os ônibus partem da rodoviária local pela BR-262, que segue até Aquidauana (146 km), Miranda (218 km) e Corumbá (441 km). - Carro Quem opta pelo carro tem mais liberdade, mas no período da cheia só veículos 4x4 vencem os atoleiros. Uma alternativa é negociar o transporte com saída do aeroporto com a hospedagem no ato da reserva. Dicas para aproveitar melhor sua viagem - No Nordeste, as paisagens das praias podem se diferenciar de acordo com a variação das marés. Se o passeio acontecer em um dia de maré mínima (entre 0,1 m e 0,2 m de altura), é possível observar os recifes de corais expostos com a água transparente na altura dos joelhos. Em época de maré alta (entre 0,4 m e 0,7 m), a correnteza é mais intensa e fica mais difícil se movimentar entre os corais. - É sempre recomendável que o visitante busque informações com profissionais e unidades de conservação a prática de atividades ecológicas. - Vale ressaltar que é de extrema importância que o turista tenha um comportamento consciente e atitudes sustentáveis ao visitar áreas protegidas por meio de simples hábitos como não alimentar animais, não jogar lixo ou coletar materiais do meio ambiente.

Para entrar em contato com a Fundação Toyota do Brasil, envie uma mensagem para: contato@fundacaotoyotadobrasil.org.br

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO

PARCEIROS